A URGÊNCIA DE INCLUIR EDUCAÇÃO EMOCIONAL NAS ESCOLAS.



A Fundação Liderazgo Chile está promovendo um projeto de lei de educação emocional para estudantes dentro da sala de aula, não na forma de disciplina, com avaliação e nota, mas para o professor adquirir ferramentas e habilidades no processo pedagógico para incorporá-los transversalmente no currículo.

Arnaldo Canales, presidente da Fundação de Liderança do Chile, disse que a incorporação da área é vital, porque a disposição emocional determina a capacidade de aprender, ou seja, uma criança que tem uma melhor condição emocional, irá obter mais conhecimento.

Eric Valverde, mestre em educação, que atua como consultor em Treinamento e Coexistência Escolar para a Visão Ativa, uma instituição regional que apoia e patrocina a iniciativa, disse que nos últimos tempos, conceitos como educação gratuita e de qualidade foram promovidos, mas não abordando o desenvolvimento integral dos alunos, esquecendo temas importantes como violência, violação de direitos e falta de ética na formação dos jovens.

A professora de espanhol Pamela Villagra, que trabalha com alunos do ensino fundamental e médio, considera importante a educação emocional porque as crianças não sabem como controlar suas emoções.

“Elas explodem inesperadamente. Vi alunos jogando cadeiras em um colega de classe porque não gostou da opinião dele ou de grupos de garotas chorando por coisas banais, porque elas não sabem como lidar com suas emoções.”.

Para Villagra, a educação emocional deve ser incorporada de forma transversal e permanentemente no currículo escolar:

 "Eles nos preparam em nossas carreiras em psicologia infantil e adolescente, mas não podemos aplicá-lo em sua totalidade, porque há muitas crianças por sala, isso não dá tempo e o currículo não permite que seja implementado adequadamente”.

Ele acrescentou que as oficinas para os pais também devem ser implementadas, porque, embora se deva treinar, muitas vezes existem deficiências que devem ser abordadas para um melhor desenvolvimento das crianças.

Deve ser incorporado

“A educação emocional hoje se torna mais relevante do que nunca, porque, de fato, é importante que, no mundo da educação, cuidemos das dificuldades de nossos alunos, por exemplo, no gerenciamento da raiva, de suas emoções e de violência que às vezes leva a ataques. Nos espaços públicos, essas crianças podem ser orientadas, com uma educação emocional correta”, disse Fernando Peña.

Isso implica, segundo Peña, incorporar no currículo e, na realidade educacional, a importância dos afetos, emoções e, sobretudo:

“o valor do relacional como espaço de ação dentro dos fenômenos coletivos. Todas essas frustrações e raiva observadas devem ser administradas e sujeitas ao escrutínio da razão e, acima de tudo, da prudência desde os primeiros anos de vida. ”

O atraso no cumprimento desses objetivos provavelmente levaria à mesma situação hoje em alguns anos. "Devemos incorporar esses elementos, tanto no nível curricular quanto no transversal", afirmou.

Presença de psicólogos

"Somos educados apenas em conhecimento formal, matemática, espanhol e ciências, mas esquecendo a prática social que nos permite gerenciar e canalizar emoções".

Portanto, as escolas devem ter psicólogos que possam atender e orientar os alunos, especialmente considerando que, por cultura, os chilenos não expressam emoções e "nem os administramos e resultamos em destruição, raiva e brigas".

Para moderar o comportamento dos jovens, de acordo com o psicólogo, você deve reconhecer a emoção, tanto individual quanto sistemicamente nas escolas, de que os psicólogos fazem com que as crianças se sintam ouvidas, o que regulará seu humor:

“Porque tudo isso é um produto de demandas às quais o governo não está respondendo (...). Tudo o que é visto no centro gera angústia, estresse e medo”.

Emocional e cívico

“A educação emocional é muito importante, vários autores apontam que a escola não pode ser apenas um espaço para as crianças adquirirem conhecimento acadêmico, mas é um espaço de treinamento mais amplo que inclui gerenciamento de emoções, controle de impulsos, mas também as formas de participação democrática na sociedade”, disse a psicóloga María Victoria Benavente, médica em Saúde Mental.

De fato, a eliminação da educação cívica do currículo, para o professor da Universidade de Desenvolvimento, cria uma grande falha, porque as crianças precisam aprender maneiras democráticas de expressar suas opiniões, com relação ao outro, do sistema escolar. "Certamente os meninos que estão nas ruas não tinham educação cívica... o que contribuiria para construir uma sociedade mais democrática".

Benavente - que também é pesquisador associado de Bem-estar Social e Coexistência do mesmo campus - explicou que as escolas precisam de uma equipe multidisciplinar sobre questões psicossociais, ou seja, psicólogos, assistentes sociais, psicopedagogos e conselheiros para dar uma melhor resposta às necessidades dos alunos.

Os estudantes que hoje marcham nas ruas, segundo o especialista, constituem um grupo mais globalizado, com maior consciência de seus direitos e fácil acesso às comunicações pelas redes sociais, permitindo que eles concordem em se encontrar em um local e realizar uma demonstração.

"Eles se perguntam sobre as condições em que vivem, sua identidade, o que querem, estão mais conscientes das injustiças e, em geral, esse é o papel transformador dos jovens".

“Você precisa treinar professores em educação emocional e participação do cidadão. Existem países onde eles obtiveram muito sucesso na aprendizagem socioemocional, pois, além disso, permite melhorar a incorporação do currículo”, acrescentou Benavente.

FONTE: DIARIO CONCEPCION.
TRADUÇÃO/ADAPTAÇÃO: PROF VAL BARRETO.

Comente com o Facebook:

:) :,( ;) :D :-/ :? :v X( :7 :-S :(( :* :| :-B ~X( L-) =D7 :-w s2 \m/ :p kk

0 comentário

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestões, críticas, será um prazer responder você.

NOSSAS REDES SOCIAIS